Jogando agressivamente no Turn

janeiro 31, 2011
Escrito por Phil shaw
Traduzido pela Universidade do Poker

A maioria dos jogadores do No Limit Holdem moderno, particularmente estes que aprenderam online, são familiarizados com linhas como three bet light e continuation bet. Estas estratégias prevalecem especialmente quando o jogo rola nas agressivas mesas 6-max, jogos short handed e HU. Three betar com frequência permite ajustar-se contra jogadores que abrem com um range muito amplo, e c-betar é obviamente uma ferramenta para levar potes quando você acha que o oponente errou o flop, ou ele pensa que você acertou.

turn queen card burn carta queimando poker poquer
Entretanto, conforme você sobe de níveis, a maioria dos jogadores não usam essa linha, e tem meios de contra atacá-la. Por exemplo, se tornou comum o four-bet light, e contra atacar jogadores que c-betam com frequência aumentando de forma light ou aplicando floats no flop. Por isso não podemos c-betar qualquer pote contra jogadores inteligentes, mas também não podemos só aplicar check e desistir.

Para continuar a levar os potes e dificultar a vida dos oponentes, você precisa continuar a aplicar agressão no turn depois de ter mostrado força no flop. Isto significa continuar com blefes ou semi-blefes contra jogadores que possivelmente estejam em float contra você, ou dar check-raise contra jogadores que tentam levar o pote no turn. Isso também significa apostar por valor de forma mais leve em situações onde você tem uma dinâmica agressiva contra o vilão. Isso balanceará seu jogo, e irá torná-lo em um jogador difícil de combater. Mas o poker não é tão simples, e deve-se considerar alguns cenários onde você pode se encontrar e em que sua escolha de jogo pode ser baseada em outras variáveis.

Ponto chave:
Ser agressivo no turn é vital em cash games com poucos jogadores, onde há um grande aumento pré-flop e agressão no flop com muito mais jogadores contra atacando o agressor pré-flop.

Posição é Tudo

A situação mais comum é quando você aumenta antes do flop e é pago por outro jogador, tanto no pré flop quanto no flop. Neste ponto, você precisa considerar sua posição – Tanto na sua mesa quanto em relação aos outros jogadores, a textura do flop e a carta do turn, bem como as tendências de seu oponente. Se você aumentou em posição inicial, então obviamente você é capaz de ter uma mão forte nesta situação e isso deve ditar seus passos.

Se o bordo é auto ou não coordenado, então você deve apostar tanto no flop quanto no turn em muitas situações. Mas se ele for baixo ou cheio de draws, talvez você tenha que desistir depois de uma aposta (ou, sequer aposte no flop). Você deve também estar mais inclinado a blefar quando estiver em posição ou quando scare cards aparecerem no turn, já que ambos os fatores estão a seu favor.

Entretanto, se você aumentou em posição final e foi pago no flop, sua posição em relação ao jogador que pagou é muito importante. Poucos jogadores seguirão contra você fora de posição no flop, sem nenhuma mão, quando você é o último a falar e assim sendo se eles pagarem, provavelmente tem algo.

Mas você precisa ter em mente que muitos jogadores vão lhe pagar pré-flop e no flop com mãos como pares médios, quando o bordo for baixo com uma única overcard. Sendo assim, você deve estar disposto a aplicar um double ou até mesmo triple barrel contra eles, quando cartas ruins aparecerem.

Se, no entanto, você está fora de posição no pós flop, tendo aumentado em posição final, suas jogadas se tornam muito mais dependentes de seu oponente.

Em stakes altos, e contra jogadores fortes você deve assumir que não conseguirá se safar, levando potes com c-bet frequentemente. Você se encontrará muitas vezes em situações complicadas no turn contra jogadores que estão inclinados a pagar continuation bets em posição com um range amplo, incluindo monstros, draws, mãos marginais e floats.

Assim, sua estratégia no turn precisa ser igualmente balanceada se você está fora de posição, e você precisa estar bem atento à sua imagem e as tendências de seus oponentes. Quando você aumenta em posição média ou final você não precisa necessariamente ter uma mão forte, e por causa disso – e pelo range aberto de seu oponente – a textura do bordo se torna importante. Sua estratégia deve variar entre double barrel, apostar leve por valor e check-raise, para evitar que seus oponentes apostem quando você der check com outras cartas de seu range. Se seus oponentes não presumirem suas ações, eles não conseguirão explorá-lo.

Ponto Chave:
É muito importante ter uma análise diferente do jogo, baseada na sua posição e na textura do bordo, antes de tomar uma decisão no turn. Fora de posição, sua jogada se torna muito mais dependente de seu oponente.

Jogando potes re-aumentados

Outra situação onde jogadores intermediários enfrentam problemas é em potes re-aumentados quando suas c-bets são pagas no flop. Novamente, é importante balancear seu range para tais ações, já que muitos jogadores aplicam c-bets com muita frequência em potes re-aumentados, esperando levá-los.

Entretanto, jogadores inteligentes reconhecem esse range aberto para three-bets e continuation bet frequentes, e assim, é preciso ocasionalmente dar check no flop. Esta é uma jogada normal uma vez que seu range será mais forte do que em um pote aumentado apena uma vez.

No turn, é preciso começar a ação com uma c-bet atrasada, se você deu check no flop, ou considerar suas opções se apostou e foi pago. Obviamente, em um cenário mais avançado, os stacks serão importantes, já que você pode comprometer uma boa fatia dele em uma aposta no turn. Você quer fazer apostas que possam lhe colocar em situações de all-in no river, sem comprometer-se em pagar um all in no turn.

Você deve procurar boas situações para isso, caso vá blefar, como bordos secos, com pares ou com Ás como carta alta, onde é difícil que você mesmo tenha um draw caso seja contra atacado. Você não deve apostar em situações onde não é comum receber um fold, como em bordos bem coordenados ou em um turn que possa ter melhorado mãos marginais, dando a elas o gut-shot ou outros outs.

Obviamente seus oponentes em stakes mais altos usarão táticas similares contra você e assim sendo você precisará fazer ajustes. Pode fazer isso foldando mãos marginais fora de posição no flop, que não podem enfrentar apostas no turn ou podem enfrentar péssimas cartas. Você pode também pagar mais light em posição, contra opoentes que gostam de aplicar double barrels bluffs ou apostar em scare cards com frequência. Você deve também estar preparado para apostar alto ou ir all in no turn com draws em situações onde seu oponente está inclinado a apostar e depois foldar uma grande parte do seu range para raises. Lembre-se, a agressão no turn é uma ferramenta valiosa, e você precisa usá-la.

Ponto Chave:
Em potes re-aumentados, você precisa variar seu jogo e algumas vezes dar check, já que muitas c-bets podem te colocar em situação complicada.


Low Limits Manual – jogando o turn – pt. VII

janeiro 17, 2011

Aqui, as últimas duas situações possíveis para o turn: o floating e o raise frente o 2nd barrel. As outras partes do presente manual podem ser encontradas a seguir:

Pt. I; Pt. II; Pt. III; Pt. IV; Pt. VPt. VI;

Floating no Turn

A. Há duas situações que eu quero comentar quando nós falamos sobre float no turn. Geralmente eu penso que vocês querem dar float no turn com pares médios e str8 draws, (em ambas as situações,  você, por qualquer razão, acha que um float é melhor do que um bluffraise. Por exemplo, você sabe que seu oponente não irá foldar overpairs em T73r e você tem 98, ou você sabe que ele irá double barrel Kxx bluffing e você tem JJ. Nestas situações, dar raise faz com que seu oponente jogue perfeitamente, então, call é a melhor opção).

poker board aces queens

OK, vamos dizer que um TAG (20/18, não muito loose, nem muito tight) abre em EP, nós decidimos dar flat/overflat com QJss. O flop é KT4r e nós decidimos somente dar call na aposta (você deve dar call aqui por motivos de balanceamento, também porque você não quer ser expulso com um 3bet da sua mão, FWIW, a primeira vez com o raise do seu oponente, é provavelmente melhor, somente porque ele cbeta muito e é dificil ele continuar com um raise). O turn é a pior melhor carta, o 4s. Nada do board realmente mudou, ele nunca irá acreditar que você terá um 4, então se nós tivéssemos A4s com BDFD no flop, definitivamente raise o turn contra o doublebarrel, mas dar call aqui é melhor porque, mesmo que nós tenhamos muito equity, ele provavelmente não foldará qualquer K até este ponto porque sua linha não faz muito sentido para nada que ganha dele. Também, você quer dar check behind este river sempre, ao menos que você faça seu str8 ou flush porque ele provavelmente planeja dar c/c no river com maioria dos pares, o único cenário que eu betaria é se:

A. Eu soubesse que meu oponente é hyper aggro e tem capacidade de double (doublebarrel) algo como AQ ou AJ ou até QJ aqui, que neste caso eu transformaria meu busted draw em um blefe.

B. Eu soubesse que meu oponente provavelmente iria doublebarrel Tx ou JJ e o river fosse uma Q, esta é uma situação onde uma thin value bet é provavelmente melhor. Em ambas situações eu provavelmente betaria 60% do pot.

C. Ok, agora digamos que nós temos JJ em QT4 ou Q43. Nós demos flat em um open de um EP e nosso oponente decide doublebarrel. Esta é uma situação onde contra alguns openers muito tight, talvez 14% ou menos, você pode foldar, ao menos que você tenha uma razão para não o fazer. A única carta que eu nunca foldaria para uma second barrel contra esses tipos de jogadores é uma Q, somente porque é uma carta estúpida de ser doublebarreled e seus oponentes que são tight assim são, provavelmente, ruins o suficiente para o fazer algumas vezes. Eles também fazem isto com 88-TT, então dar call é lucrativo. A situação onde você realmente dá float no turn é contra o tipo de TAG 20/17 ou qualquer LAG que você sabe que podem doublebarrel com air, mid pair, draws/picked up draws, etc. Neste spot, desde que ele provavelmente saiba que seu range é pares fracos, talvez como AQ na melhor das hipóteses, ele provavelmente irá por pressão uma decente parte das vezes., e porque significa que o range de bet dele é vasto, nós devemos nos adaptar e aumentar nosso range de call, o que inclui estes under/middle pairs. FWIW, eu devo adicionar que você precisa dar flatcall com algo como TT em QTx para nossos oponentes cbetarem de vez em quando, somente para balancear, também para enganar seu oponente que provavelmente acha que você daria raise no flop com essa mão.

Raise no Turn

A. O raise no turn é muito divertido porque pode, normalmente, colocar TAGs ou donks em spots dificeis. Eu quero examinar duas situações que demonstram como explorar double barrels.

Nesta situação, eu estou muito feliz que o overcaller seja um fish do que um TAG, porque eu sinto que o PFR é mais voltado a cbetar contra um TAG e um donk do que dois TAGs, porque neste caso é mais fácil que ele seja 3betado por nós (então, se ele está betando mais aqui, seu range é mais fraco, no geral).

De qualquer maneira, ele beta e eu dou float com 99, muito standard. No turn, um As aparece, um boa carta para ele dar uma second barrel, o que ele faz. Eu estou ciente de que é uma boa carta para ele blefar, e estou ciente também que o range para ele betar esta carta é [33, 55, QQ, AA, AQ, Ax, Qx, JK, spades, 66-JJ, e uma tonelada de air]. Eu também sei que ele provavelmente estará cbetando o flop grande parte das vezes porque: a) está seco, e b) é 3way, então parece forte. Eu provavelmente pensaria que ele cbeta mais do que em uma situação de HU contra eu e ele, porque ele irá esperar que eu dê float mais frequentemente em HU. De qualquer modo, olhando para o range dele, há algumas mãos que podem continuar. Contudo, a maioria não pode continuar em ação posterior, mesmo com history é dificil para ele continuar aqui sem, no mínimo, um top pair. Ele atira uma second barrel na scary card, que é o que eu espero que ele faca com 100% do range dele, e eu dou raise e o coloco em uma decisão, basicamente pelo resto de seu stack.
(6 max) – $2/$4 – No Limit Hold’em –

Seat 1: X ($400)
Seat 2: X ($629.60)
Seat 3: TAG ($454.30)
Seat 4: X ($398)
Seat 5: Fees ($418.30)
Seat 6: donk ($412)
donk posts the small blind of $2
X posts the big blind of $4
The button is in seat #5

*** HOLE CARDS ***

Dealt to fees [9s 9h]
TAG raises to $14
X folds
Fees calls $14
donk calls $12
X folds

*** FLOP *** [3c 5h Qs]

donk checks
TAG bets $31
Fees calls $31
donk folds

*** TURN *** [3c 5h Qs] [As]

TAG bets $76
Fees raises to $185

B. A segunda situação é um spot em que você estará se encontrando frequentemente (é um bom spot se você souber o que está fazendo). O vilão aqui é muito loose e hyperaggro depois do flop, ele continua clicando e clicando em betpot. Neste caso, nós decidimos somente dar float com nosso str8 draw + overcard, e como nós esperamos, nosso oponente beta o turn. O turn é a melhor carta que não completa nossa mão, porque nossa mão parece um par fraco no flop, e também nós sabemos que o range de mãos fortes que ele pode ter, agora se torna menor. Ele dá pot no turn como esperamos e nós vamos para o semibluff raise no turn, o que é algo que você, absolutamente, deve incorporar no seu jogo contra esses tipos de jogadores, porque a única maneira de jogar passivamente contra esses jogadores é dando call com mãos feitas. Como tudo que nós temos é um draw, nós devemos utilizar nossos métodos de ganhar o pot, desde que nós saibamos que nosso oponente não é um retardado insano (i.e., stackando com 55 ou AK aqui) nós podemos, lucrativamente, dar raise e call em um shove, no caso dele ter uma Q, nós ainda temos 25% de equity, então não é uma grande merda. Tambem, eu devo mencionar que, contra estes tipos de jogadores, um raise no turn ou river é interpretado como sendo MUITO forte, enquanto, um raise no flop irá receber call muito mais frequentemente, o que o levará para tricky multistreet bluffs, que você quer evitar, contra donks, sem uma boa razão.

(6 max) – $3/$6 – No Limit Hold’em

Seat 1: X ($600)
Seat 2: LAGfish ($1,689.90)
Seat 3: Fees ($600)
Seat 4: X ($158.90)
Seat 5: X ($600)
Seat 6: X ($651.30)
LAGfish posts the small blind of $3
Fees posts the big blind of $6
The button is in seat #1

*** HOLE CARDS ***

Dealt to Fees [Ks Jc]
X folds
X folds
X folds
X folds
LAGfish raises to $12
Fees calls $6

*** FLOP *** [4d Qc Th]

LAGfish bets $24
Fees calls $24

*** TURN *** [4d Qc Th] [Tc]

LAGfish bets $72
Fees raises to $244

 

Parte VIII


Low Limits Manual – jogando o turn – pt. VI

janeiro 16, 2011

Primeira das duas partes que escrevem sobre o turn, essa irá tratar do 2nd barrel e o check-raising no turn. As outras partes do Low Stakes Manual podem ser encontradas abaixo:

Pt. I; Pt. II; Pt. III; Pt. IV; Pt. V;

Turn play

Eu quero colocar um prefácio nesta seção para dizer que eu acho que o turn é a street mais erradamente jogada no online (uNL-MSNL, não sei quanto HSNL). Muito frequentemente, as pessoas estão somente pensando até o flop, o que faz com que tenham um GRANDE leak no turn e river e isso frequentemente os levará para spots ruins e desperdício de dinheiro.

poker home game

Dito isso, vamos ao elemento mais importante do turn:

Double Barreling

A. Meu prefácio é designado especialmente para falar sobre como os jogadores jogam o turn OOP, betar o flop e c/f o turn deveria de ser mais uma raridade do que algo comum, contudo, eu vejo acontecer todo o tempo. Eu, esperançosamente, devo ter passado conhecimento suficiente para que você não dê cbet KQ em 754 na sessão de flop play, então, esperançosamente, nós não estaremos em spots difíceis no turn. Vamos olhar quando nós devemos double barrel.

I. Draws, double barrel seus draws. Simples não? A única ocasião que você não double barrel seus draws é quando você decide que: a) você quer punir alguém que constantemente dá float e beta o turn (seu read quando a isso precisa ser muito forte, também ajudaria se você tiver um big draw), neste caso, você pode dar c/r. ou b) você tem um weak draw e recebeu call em 2 spots. Por exemplo, você tem 65s em KQ10ss, no turn vem um blank e você recebeu call em 2 spots. É hora de dar c/f. Também, algo que eu devo incluir, vamos dizer que você decide cbetar AKo em Q54ss porque seu oponente dá fold para um enorme numero de cbets e você acertou um terceiro espadas no turn e você tem o As ou Ks, isto conta como um draw FWIW.

II. 2pairs+. Na maior parte das vezes, a linha b/f será sempre superior a linha c/f no turn com 2pr+, porque é uma mão muito forte. As situações que eu estarei dando c/f são, algo como 87 em 789 (turn foi um T que completa um flush), contudo, digamos que o turn não complete o flush e ainda é de 2 cores, eu betarei denovo para proteger minha mão, isso é bom grande parte das vezes. Também eu quero especificar que, quando você tem uma mão grande, não tente dar c/r no turm porque faz com que seu range de bet seja muito fraco e explorável. Quando você tem um monstro, só faça bet/bet/bet e espere levar um raise. Na ocasião em que você bete e tome um raise em uma carta que foi uma m* para você, é hora de postar uma mão (!).

III. 1 par. Digamos que você tem AA ou AQ em QT5hh ou rainbow (fwiw, quando você tem AA, a situação muda, porque é mais provável que ele tenha uma Q), mas você sempre estará betando o turn nessa situação, por value. As pessoas amam dar call e amarão dar float no flop. Continue betando para desencorajar os floats e fazer com que ele tenha uma decisão marginal com um par fraco ou draw. A única situação que você da c/c no turn é contra TAGs que você acha que irão foldar grande parte do tempo para double barrels, mas blefarão se você der check. Nesta situação, é ok dar c/c no turn, mas, absolutamente, não PODE ser seu padrão, pois é muito explorável, e, como eu descrevi mais cedo, entrega a força da sua mão e a iniciativa OOP, algo que não é muito engracado. FWIW, faca isto raramente até que você se torne confiante no seu jogo, como padrão/default, você deve sempre estar double barreling o turn com qualquer par. Entao vamos dizer, por exemplo, que nós temos JJ ou AT no mesmo board, com certeza, bete o turn. Nosso oponente pode, muitas vezes, ter um par pior, hearts ou air, e nós simplesmente não podemos dar check e desistir da mão. Também, desde que nosso range seja forte (porque nós cbetamos somente o topo de nosso range OOP no flop) estas serão as mãos mais difíceis de serem jogadas no turn e river, tente não cometer um erro, estas são b/f no turn e c/f no river, desde que não tenhamos um read (como: nosso oponente, quando erra o turn, blefa o river).

IP

I. OOP, eu te falei para double barrel todos os draws, que, estando em posição, a maioria também é verdadeiro, mas há poucas situações que não é uma boa ideia. Vamos dar uma olhada:

Você dá raise no BTN com 54dd, o flop vem AT3dd, seu oponente, que folda muito para cbets, c/c o flop (um flop que somos respeitados, por causa do As). O turn vem J (ou ainda pior, um T) nós devemos:

Check. É imperativo dar check aqui, para tirarmos nosso oponente da mão, você, normalmente, irá precisar disparar three barrels porque ele não desistirá do top pair para somente 2 bets. Estes spots são tricky e de alta variância, então, check é melhor, especialmente porque, se nós conectarmos e ele der lead no river, nós podemos ainda dar raise e o colocá-lo em um spot dificil. E se ele der check, nós podemos, normalmente, betar um tamanho considerável no river, que, normalmente, iremos receber um call de jogadores piores.

II. Vamos olhar para uma situação em que temos A5 ou K9 (qualquer par fraco, onde você está em uma situação WA/WB) e o flop tem AT6r ou K53r. Nós demos raise em LP e recebemos call dos blinds. O caller é um TAG e, normalmente, nunca loose passive (contra LP, continue betando). não há nenhuma history entre voes 2 OU háa history que você dá cbets em Axx e Kxx e desiste do turn. você cbet, ele call. O turn é um tijolo e ele dá check, você deve:

Check. Não há history entre vocês, e você tem desistido grande parte das vezes, então quando você dá check, você torna seu range baçanceado e disfarça sua mão, com o plano de receber value em streets posteriores. Double esse spot como um unknown, geralmente você irá valuetown você mesmo, porque, como não há history, seu oponente, provavelmente, irá proceder com mais cautela e eu duvido que você irá ganhar mais value dele em boards dry (boards com mais textura precisarão ser double barreled sempre com TP IP). De qualquer maneira, sua linha aqui será bet/check behind turn/(call ou bet o river, dependendo, se nos improvisarmos para 2pr ou trips, dar um raise pequeno e foldar para 3bet é, normalmente, a melhor linha, porque parece muito um bluff). Também, não dê raise muito pequeno, você quer dar um raise grande o suficiente para que pareça que você esteja blefando neste spot, mas pequeno o suficiente para receber alguns calls.

III. OK! chega de check, vamos adentrar em: betar o turn. Vamos olhar uma situação comum e muito importante:

Você dá raise c/ AK de qualquer posição (UTG-BTN, não blinds), você recebe um call (2 calls é muito mais complexo, então vamos focar em HU).

Flop é AJ7dd, AT5r, A22r KQ8ss, KJTr.

O único flop onde você estaré stackando (significa que você toma a decisao de ir em frente com sua mão no flop) é A22 (assumindo que seu oponente raramente, ou nunca, tem um 2). Se você tomar raise nos outros board, é melhor desistir da sua mão sem history, porque você estará, geralmente, flipando/drawing dead. Isto me leva a um ponto que eu fiz em uma mão mais tarde nesse post que eu quero enfatizar agora.

“Folde qualquer situação marginal onde você não esta certo de onde você está. No final, você não terminará perdendo muito dinheiro. Enfatizando que, se você, consistentemente, tomar decisões incorretas, estas situações acabarão sendo -EV. Entao folde” Isto simplesmente significa que em toda situação que você não tem um read forte ou razão, do que você irá fazer e o range de seu oponente é nebuloso, é melhor desistir da mão, do que tomar decisões marginais. Eu tenho encontrado que (e ainda acontece hoje) quando eu cometo uma dessas decisões maginais, eu estou errado MUITO mais frequentemente do que estou certo, e é, definitivamente, um big leak no meu jogo, e como tenho examinado, em jogos de outras pessoas, também.

De qualquer forma, de volta a mão, nós cbetamos 6-7bbs em 8bbs, ele dá call. Turn é (nesta ordem) 8d, Jh, Ts, Jd, 5s. Nossa ação? BET! Normalmente eu beto 16bbs ou algo assim, nestes spots, mesmo se eu não acertar um redraw. Agora o que eu preciso que você entenda é que alguma destas cartas são uma m* para nossa mão, algumas não, e também que você estará betando este turn  com um range. Então quando você tem um set nestes boards, você beta denovo (exceto AA em A22. Eu acho que eu prefiro dar check e deixar ele blefar porque é muito dificil para ele ter uma mão, e, bet flop c/c turn é uma linha muito fraca, o que é o porque nós não chegamos até aqui com TP marginais) um draw, 2 pair, etc. você beta porque seu oponente pode nunca estar certo do que você tem, e desde que a força relativa da nossa mão estará na frente do range de nossos oponentes, nós estaremos b/f (b/f aqui é realmente uma opção de balanceamento, que na verdade, nós temos 3 opções: b/f, c/c, c/f, onde b/c e c/r são, na maior parte do tempo, grande SPEW e um leak enorme).

Então nós olhamos para nossas opções, c/f não é ruim, algumas das vezes, é algo que, definitivamente, para mixar contra o oponente certo ou por causa de algo como timing ou como o jogo esta fluindo. Se você sente que você está perdendo, c/f é perfeitamente bom algumas vezes, mas não é padrão/standard. C/c é provavelmente a coisa que eu mais vejo, o que realmente me tilta, por que é horrivel. Dando c/c, você basicamente desiste da iniciative com mãos como 1 par OOP, e dá para seu oponente uma grande parte de informação da força da sua mão. Não me entenda errado, de vez em quando, contra o oponente certo, que ama dar float, isto é OK em um board seco, mas, assim como c/f, é algo de como o jogo flui e precisam ser mixados em certar ocasiões. Ao fazer OOP, você irá se encontrar, consistentemente, em decisões OOP. De qualquer maneira, desde que essas opções são coisas que podem ser utilizadas em certas situações, nossa jogada padrão é b/f.

Outra coisa que eu quero enfatizar (o que, IMO, é derivado da opção de c/c com TP no turn, que muitos TAGfishes fazem) é o medo de levar um raise. Quando você toma um raise no turn, é uma m* que você tenha que desistir da mão, mas é uma coisa boa para seu plano de jogo em geral, porque seu oponente está deixando que você saiba exatamente onde você está na mão. Muitos poucos oponentes que você joga contra são tricky o suficiente para tornar esse spot em um bluffraise ou semibluff raise, então você pode muito confortavelmente foldar para um raise, e estar certo de que está feliz que seu oponente deu raise ao invés de betar no river. De qualquer maneira, resumidamente, OOP com uma mão feita, que será a melhor maior parte das vezes, bete até que você tome um raise (a única vez que há uma excessão para esta regra é quando seu oponente tem o hábito de dar raise em você no turn, mas normalmente, eu dou uma decente quantia de crédito até que eu os vejo fazer algo diferente. Neste ponto, eu planejo ajustes)

I. Double barrel bluff Kxx ou Axx. Não o faça.

II. Double barrel Axx ou Kxx com draws, maioria das mãos marginais eu só dou check, qualquer draw maior (fd+gutshot, str8draw+pair, fd+pair) eu irei double barrel. FWIW, estes são semiblefes.

III. Meu oponente deu float com K53r, ele é taggy e pensa que eu provavelmente tenho 66-TT aqui muito das vezes. O que devo fazer?

Mixar. Mixe maior parte do tempo, mas lembre-se que você quer balancear seu range, então eu também quero aparecer com air nesta situação, quando eu double barrel o turn ele não sabe o que eu faço e pode, então, tomar uma decisão errada. Somente caso você não tenha entendido: (6 max) – $2/$4 – No Limit Hold’em

Seat 1: X ($83) Seat 2: TAG with little history ($444.30) Seat 3: X ($131.50) Seat 4: X ($60) Seat 5: X ($814.90) Seat 6: Fees ($406) X posts the small blind of $2 X posts the big blind of $4 The button is in seat #3

*** HOLE CARDS ***

Dealt to fees [9h Th] fees raises to $14 X folds TAG calls $14 X folds X folds X folds *** FLOP *** [Kh 5c 2d] Fees bets $24 TAG calls $24 *** TURN *** [Kh 5c 2d] [Ad] Fees checks TAG checks *** RIVER *** [Kh 5c 2d Ad] [2s] Fees bets $60

VII. Outra coisa que você deve tentar fazer é blefar em scary cards. Então vamos dizer que você tem qualquer mão exceto mãos fracas feitas (como Jx ou 8x, o que nós iremos estar tentando ir para o showdown). Então seu range é: draws, big hands, e air, para o seguinte cenário: Você dá raise no BTN e um dos blinds dá call. Flop é J85r, você cbeta e ele dá call (e vamos supor que ele seja um TAG ou donk, não um louco spewy ou algo e também não muito loose, contudo, deixe eu emendar aqui: os loose donks que irão dar call em quase todos os flops e foldar para quase toda cbet no turn, então identifique estes jogadores e os agrupem em fold to double). De qualquer forma, o turn vem Q, nossa melhor linha é:

Bet. QJ e T9 sao as unicas mãos que gostaram desta carta, quase todas as outras mãos do range do nosso oponente não estao felizes quanto a aparicao dessa dama, porque adiciona mais textura no board, é uma overcard e completa um str8 draw. Obviamente, você tem que betar monster por value, mas desde que essa situação acarrete MUITO fold equity, nos definitivamente precisamos blefar/semiblefar esta situação. Algo que eu devo especificar é que, se o flop é de 2 cores, eu provavelmente  não irei betar porque nosso oponente pode ter pego um pair+fd, gutshot+fd, etc. Entretanto, é possivel que você saiba que seu oponente da c/r no flop com flush draw, neste caso, betar denovo é bom.

VIII. Ultima situação que eu quero falar sobre é um cenário muito básico. Você tem AK ou KQ em AT5 ou K94 (rainbow ou 2 cores). Você abre/isola de qualquer lugar e ele dá call. Você está IP. Vamos dizer que nós isolamos, então o pot é 11bbs, cbet 8bbs.

O turn é qualquer coisa, o pot está agora com 27bbs, você deve b/f 20-23bbs por value. A única situação onde esta não é uma linha que você adota é se você sabe que: ele ama um draw, e conseguiu acertar, ele folda para muitos turns e blefa muitos rivers, OU você sabe que ele frequentemente, c/r semiblefa o turn. Se este for o caso, então ajuste e jogue de acordo, caso contrário, b/f é o melhor. não DÊ CHECK BEHIND NO TURN POR POT CONTROL COM AS MELHORES mãos AO MENOS QUE você TENHA UMA MUITO, MUITO BOA RAZÃO.

Check/raising

Nos jogos que a maioria de voceês jogam, vocês não construirão history suficiente com qualquer oponente para dar c/r no turn por value porque há muitos jogadores. O que estou advocando é que nós iremos dar c/r no flop tanto, para explorar as pessoas que cbetam muito, que você deve balancear seu range dando c/r com suas mãos grandes no flop, o que significa que muitas mãos grandes são feitas no turn. Há uma situação que você dá c/r no turn por value, então vamos ver isso primeiro.

A. Você dá flat call com TT OOP e o flop vem 953 ou J32, duas cores ou rainbow. Você dá c/c numa cbet normal. O turn é um T (você dá check, obviamente) e seu oponente double barrel (seu oponente é pouco agressivo, mas é o tipo de jogador que daria check behind em JT32x). Aqui é um spot que você deve dar c/r porque a falta de agressão de seu oponente significa que ele não da value bet thin suficiente, então, ele irá dar check behind o river e nós não queremos porque nós queremos stacká-lo [C/c o turn e b/c o river é OK, mas é algo doido se você fizer isso]. De qualquer forma, o que você não deve fazer nunca é c/c turn e check o river para este tipo de jogadores, ele irá dar check behind muito das vezes, contudo, no evento em que seu oponente é super aggro, eu deixaria ele betar o river e daria c/r. Obviamente, essa situação muda assim que os stacks aumentam.

B. Você dá c/c em uma mão média, como 77 em 956 ou AT em J102, e seu oponente double barrel. Neste ponto, seu oponente pensa ter a melhor mão maior parte do tempo, e você não quer dar c/c com weak pair OOP. Outra coisa que você sabe sobre o range de seu oponente é que contem alguns draws como 98 ou K!, e uma tonelada de mãos 1 par, assim como bluffs. O que você conclui é que o range de seu oponente para dar c/c é pequeno, entao este é um spot para dar bluffraise no turn (é quase um semiblefe porque você esta transformando uma mão feita com 5-6 outs para um blefe). Este é um ótimo spot para dar c/r porque você pode facilmente foldar para ações seguintes improváveis e você põe pressão no seu oponente. A maioria das pessoas não quer continuar com uma mão do tipo um par neste spot porque na visão delas é muito incomum que você esteja blefando porque é uma jogada muito ousada, eles não saberão que mãos você pode ter para dar c/c no flop e c/r turn, outra razão que é uma ótima jogada é porque eles nunca suspeitariam que você transformou um middle pair em um bluff c/r.

De qualquer maneira, vamos dizer:

AT em JT2, você flat um open LP dos blinds e c/c em uma cbet de 6bbs.

No turn o pot está com ~21bbs e seu oponente beta ~12-16bbs como um double, eu provavelmente daria c/r para ~44-50bbs, fold pra shove, e check/fold no river se vier um tijolo. Eu shovaria o river se fosse um A ou T.

Eu também gostaria de adicionar de que ajuda muito se o turn for um 9 8 ou 7, como completa draws/2pair, também que é ruim se for um K ou Q ao menos que você tenha um note que ele double barrel scary cards. FWIW se o turn é um T ou A, eu daria c/c denovo ao menos que nos tenhamos history.

Parte VII


Poker online – 10 erros cometidos 2/3

janeiro 1, 2011

Os primeiros três erros tratados pelo artigos podem ser encontrados nesse link.

Erro #4 – Pagando muitos aumentos no Turn.

Pagar muitos raises no turn é outro erro comum cometido por muitos jogadores. O problema de se pagar muitos raises no turn é que geralmente você acabará pagando também o river. Com o objetivo de ganhar um grande pote a cada hora, você acabará desperdiçando duas horas de lucro em uma única mão se cometer esses erros. Ao pagar um aumento no river, pense bem se você pagará ou não o river caso não melhore sua mão. Pagar duas grandes apostas diminui significantemente os pot odds que você está recebendo para ver se irá ou não vencer a mão.

 

john juanda wsop poker artigos poquer online

John Juanda

Muitos oponentes aguardam até o turn para aumentar suas mãos realmente fortes. Muitos jogadores também ficam relutantes e fazer aumentos semi-blefe no turn, especialmente nos limites baixos. Por essas razões, você precisa ser bastante cauteloso ao pensar em pagar aumentos no turn. A maior parte dos oponentes que aumentam no turn tem, ao menos, um top pair com um bom kicker, e freqüentemente tem dois pares ou um jogo melhor, sendo assim, normalmente é melhor foldar pares ao ser aumentado no turn. A principal exceção à essa regra são os casos de jogos muito tight e agressivos, onde alguns jogadores aumentarão o turn em um semi-blefe, especialmente em situações de heads-up, então as vezes é preciso pagar com uma mão medíocre, como um par, dependendo das circunstâncias.

Primeiramente vamos dar uma olhada em situações onde foldar para um aumento com uma mão medíocre, como um top pair, é relativamente correto.

– Seu oponente é do tipo que nunca aumenta no turn fazendo blefes ou semi-blefes.

– Um oponente aumentou após dois jogadores já terem pagado o turn.

Nestas duas situações você precisará de ao menos um top pari com top kicker para pagar, talvez até uma mão melhor, dependendo do tipo de oponente que você enfrentando.

Infelizmente, em jogos tight agressivos, nem sempre o jogo no turn não é tão simples assim. Você se encontrará em muitas situações heads-up onde ter a leitura de seu oponente não será tão fácil. No heads-up, muitos jogadores aumentarão com vários tipos de mãos, como top pair, pares médios ou baixos, straight ou flush draws, e claro, dois pares ou uma mão melhor. Quando esse tipo de jogador aumenta, às vezes é melhor foldar um top pair com top kicker, já outras vezes é melhor re-aumentar. Talvez até seja preciso pagar com um par baixo ou possivelmente com Ás alto em algumas situações. Pagar nessas situações dependerá do tipo do bordo e de como o oponente em particular jogou.

No entanto, tenha em mente que os jogos tight agressivos na internet são raros hoje em dia. Nos típicos jogos loose que você encontrará seu oponente terá geralmente uma mão forte a não ser que ele seja um desses maníacos tentando blefar em todos os potes.

Vamos olhar um exemplo: Você aumentou em posição inicial com AK e um jogador em posição média paga. O flop traz cartas insignificantes como 642. Você aposta e é pago. O turn é outro lixo como um 8. Você aposta e seu oponente aumenta. O que você faz? Contra quase todos os oponentes você deve foldar, entretanto, você poderá pagar em alguns jogos tigh agressivos de limite alto onde alguns oponentes vão aumentar com Ax.

Sempre avalie o tipo de bordo para guiar sua decisão. Se o bordo tiver três cartas suited, como Ad Td 5c 2d, considere que tipos de mão seu oponente pode estar segurando. Por exemplo, um aumento no turn com esse bordo pode significar que seu oponente acertou um flush, ou ele pode ter um Kd ou Qd e estar aplicando um semi blefe, ou talvez ele tenha Ax e está protegendo sua mão contra outros oponentes que estão em draw. Note que o número de jogadores na mão faz diferença nas possibilidades de ranges. Se dois jogadores pagaram uma aposta no turn e um terceiro aumenta, você pode assumir que ele não está aumentando com um draw. Entretanto, em heads-up, alguns jogadores agressivos podem aumentar com Kd Tc esperando que você folde uma mão como KK, QQ ou JJ.

Note também o quão altas as cartas do bordo são. É menos provável que seus oponentes façam draws em flops como Ac 9d 5h do que em flops como Tc 5d 2h. Se seu oponente aguardou para aumentar em um bordo como Ac 9d 5h 3s, você deve se perguntar: “Com que tipo de mão meu oponente pagaria o flop e aumentaria no turn?”. Você deve se preocupar com trincas, dois pares, ou um par de As com um bom kicker. Contra a maioria dos oponentes em heads-up, você pode facilmente foldar KK, AJ, e talvez até AQ. Contra jogadores tight rocks que não aumentam com nada menor que dois pares, você pode descartar AK, já que ao que tudo indica ele tem uma trinca.

Em contra partida: E se oponente aumentar em um bordo com Tc 5d 2h 8d? Já que as cartas são relativamente baixas, é mais difícil determinar a força de seu oponente. Ele pode estar aumentando com uma trinca, um par de 10, ou até mesmo com uma mão como 77 esperando que você folde um AK. Um oponente ardiloso pode até mesmo aumentar com QJ ou um draw de ouros. Com este tipo de bordo, contra certos oponentes, você deve estar mais inclinado a pagar com um overpair ou top pair.

Uma última situação a se discutir é quando você precisa pagar um cold raise, forçando você a pagar duas grandes apostar para ver o river. Em quase todos os casos, um de seus oponentes tem uma mão muito forte, a não ser que ele esteja protegendo uma vulnerável mão média. Outro problema em se pagar uma situação dessas é que o apostador inicial pode re-aumentar. Para pagar um raise cold, você precisa ter uma mão ou um draw muito forte. Para draws, o pote precisa ser bem grande para justificar o pagamento.

Erro #5 – Apostar ou aumentar automaticamente no River, quando acham que tem a melhor mão.

O river é uma rodada de aposta bem diferente do flop ou do turn, uma vez que todas as cartas já estão na mesa. Muitos jogadores fazem jogadas rápidas no river, sem pensar nas varias possibilidades. Apostar corretamente é muito importante por que são grandes apostas e cada uma delas pode significar muito nos seus ganhos.

Um erro comum cometido por muitos jogadores é apostar ou aumentar o river sempre que acham que tem a melhor mão. Não cometa este erro! Aposte ou aumente uma boa mão no river contra um jogador quando você tiver ao menos 50% de chances de ganhar caso ele pague. A parte chave deste conceito é que você ganha mais caso ele pague. Muitas vezes você irá apostar no river e seu oponente irá foldar. Essa aposta não lhe rendeu nada.

Vamos dar uma olhada rápida em um exemplo: Você tem Qh Qs com Kc 5c 2h 4s 8d no bordo. Você apostou no flop e no turn e foi pago nos dois. Você então determina que seu oponente tem um flush draw. Você deve apostar no river? A resposta é não, já que seu oponente está em um flush draw e não irá pagar sua aposta. Apostar não irá lhe render nada. A melhor opção é induzir um blefe apenas dando check.

Muitos oponentes vão ver seu check como um sinal de fraqueza, e não resistirão à tentação de blefar com seus draws incompletos em uma última tentativa de ganhar a mão. Nesse caso, dar check lhe rende uma aposta, enquanto apostar provavelmente não lhe renderá nada.

Em contra partida, se você está enfrentando um jogador agressivo que costuma pagar apostas com pares fracos, então provavelmente é mais correto apostar. É improvável que ele tenha um par de reis, já que um jogador agressivo com essa mão teria aumentado no flop e no turn. Ele provavelmente teria aumentado com um flush draw em certo ponto. Nesta situação, apostar seria correto já que você ganhará em mais de 50% das vezes quando seu oponente pagar com um par fraco. A razão, no entanto é diferente. Você dá check se acha que seu oponente esta em um draw, e você aposta se está confiante de que seu oponente irá pagar com uma mão mais fraca que um par de reis.

Você precisará de mais de 50% de chances de vencer quando há o risco de seu oponente aumentar com uma mão melhor e você pagar. Neste caso, você pode perder duas grandes apostas contra uma mão muito boa e ganhar apenas um contra uma mão fraca, então você precisa de mais que 50$ de chances de vencer para justificar seu risco. Por exemplo, se você tem 50% de chances de vencer no showdown, mas há 5% de chances de seu oponente aumentar e 70% de chances de que ele ganhe o pote caso aumente, você deve dar check ou pagar apenas, ao invés de apostar.

Há muitas considerações a se fazer quando você aposta contra um único oponente no river com uma boa mão:

– Probabilidade de vitória no showdown (tem de ser no mínimo 50%)
– Probabilidade de que seu oponente irá aumentar sua aposta e você irá pagar
– Probabilidade de que seu oponente irá apostar uma mão mais fraca se você der check, mas folde se você apostar
– Probabilidade de que seu oponente irá dar check com uma mão perdedora que ele iria pagar caso você apostasse.

Vamos discutir o segundo ponto da lista anterior. Às vezes, seu oponente irá aumentar e você irá foldar. Isto não significa necessariamente que sua aposta no river foi incorreta. Por exemplo, você tem AA contra um oponente conhecido e em um bordo com AKQ5T. Apostar nesta situação é correto caso você saiba que seu oponente irá aumentar apenas com o valete mas vai pagar com dois pares e irá apostar com dois pares caso você dê check. Se você apostar e ele aumentar, você pode facilmente foldar, perdendo a mesma quantia caso desse check e pagasse. Se você apostar e ele pagar com dois pares, você ganha uma aposta. Suas expectativas são as mesmas de quando ele tem o valete, mas você ganha uma aposta e ele não. O processo de decisão é um pouco mais complicado contra jogadores que tentem um bluff raise.

Outra opção ao agir primeiro no river é o check-raise. Temos duas razões para usar o check-raise no river com uma mão forte:

– Induzir um blefe
– Ganhar mais apostas quando temos confiança de que o oponente irá apostar e pagar seu raise.

Por exemplo, você tem Qd Jd com um bordo com KdTc5h7d2d. Seu oponente aumentou sua aposta no flop e apostou o turn, então você tem quase certeza de que ele irá apostar no river. Esta é uma boa oportunidade para um check-raise.

O cenário seria diferente caso o bordo tivesse Kd Tc 7d 5h 2d. Você consegue ver por quê? Neste caso, o apostador talvez esteja preocupado que você tenha um flush draw, já que o flop tem duas cartas do mesmo naipe. Um check-raise neste caso talvez não funcione, caso seu oponente resolva dar check também. Um check-raise também não tem uso caso seu oponente não pague seu aumento, mas pagasse uma aposta sua.

Outra situação que ocorre no river é quando enfrentamos muitos inimigos e enfrentamos uma aposta tendo uma mão muito forte. As vezes é melhor apenas pagar ao invés de aumentar, para que os outros oponentes possam pagar também. Isso é também importante caso haja mesmo uma pequena chance de que o apostador tenha o nuts e irá re-aumentar, ou caso haja chance de que o pote seja dividido com o apostador.

Por exemplo, se você tem Qc Td com Jh Ts 9d 8c 5d no bordo, você deve apenas pagar caso haja um oponente depois de você. Você provavelmente irá dividir o pote com o apostador, então é melhor dar a chance de colocar mais dinheiro no pote aos outros jogadores. Há ainda a possibilidade de que seu oponente tenha KQ e re-aumente você.

Há diferentes considerações para levar em conta no river. Eu sugiro que no river você tome um tempo extra antes de agir, tendo assim tempo para pensar em todas as opções possíveis.

Erro #6 – Jogar limites muito altos em relação ao bankroll

Se um bom jogador de poker, que normalmente ganha um grande pote em uma hora, jogar 100 horas de $2/$4, ele pode ganhar até $2.000, mas ele pode acabar tendo uma sessão ruim, e perder $1.000. Este mesmo jogador pode jogar 1400 horas e mesmo assim continuar break even.

Levando em consideração o fator sorte, um pobre jogador que normalmente perderia $4 por hora pode conseguir faturar $1.000 em 100 horas se estiver com sorte.

Essas situações te surpreendem? Como pode ver, o “longo-prazo” pode ser realmente longo quando falamos de sorte no poker. Ter um bom entendimento sobre as flutuações que ocorrerão ao jogar holdem é essencial para desfrutamos do jogo e para termos um melhor controle de nosso bankroll.

Por causa das flutuações neste jogo, é essencial jogar nos limites corretos de seu bankroll, caso contrário, você pode acabar quebrando.

Muitos jogadores principiantes jogam em limites muito altos para seus bankrolls. Alguns deles terão sorte, começando a ganhar, e seu jogo irá melhorar o suficiente para manter-se nos limites em que estão jogando. Entre tanto, muitos sofrerão as conseqüências e acabaram quebrados.

De quanto você precisa? Assim como várias outras perguntas no poker, a resposta para essa é: Depende. Depende de quão bom você é, seu etilo de jogo, e o tipo de jogo que você disputa. Claro que se você for um jogador perdedor, não há bankroll no mundo que irá suportar. Melhores jogadores precisam de menores bankrolls, uma vez que as más flutuações que eles enfrentaram não serão tão fortes quanto às de um jogador que mal consegue se manter break even. Jogadores agressivos e loose precisam de bankrolls maiores do que os dos jogadores conservadores, uma vez que eles enfrentaram mais flutuações, em ambas as direções.

Para muitos, uma boa marca é a de 350 vezes o big blind. Isto praticamente assegura que um bom jogador não vai quebrar. Mas, é preciso tempo para alcançar o nível de bom jogador. Iniciantes devem ter um bankroll inicial ainda maior.

Outro critério para definir seu bankroll é até onde você está disposto a correr riscos. Outra estratégia é jogar em um nível ligeiramente mais alto, mas recuar assim que as coisas começarem a correr mal. O problema com essa estratégia é que muitos jogadores não têm disciplina para segui-la. É difícil recuar nos limites quando você nota que levará mais tempo para voltar para onde você quer ficar. Todavia, esta é uma estratégia viável para jogadores disciplinados.

Meu conselho é no mínimo ter sempre de 250 a 400 big blinds, dependendo de quanto risco você está disposto a correr. Se você está começando, tenha em seu bankroll 500 big blinds. Isso irá ajudá-lo a ganhar experiência antes de subir para os próximos níveis. Como tudo na vida, para ser bem sucedido você precisa se planejar. Faça um plano para seu bankroll e os limites quê você quer jogar, e siga-o. Assegure-se de ter um plano “B”, e desça seus limites, caso as coisas não corram bem.

Naõ tem um Bankroll grande o suficiente para jogar seus limites? Saiba aqui como construir seu Bankroll do zero.

Terceira parte.