Tornando-se um grinder

janeiro 15, 2011
Escirto por Jared Tendler
Trraduzido por Clube do Poker

Dusty “Leatherass” Schimidt é um dos grandes “grinders” do mundo online, e constantemente perguntam à ele como é possível jogar tanto poker (Mais de 1 milhão de mãos por ano! E mais de 7 milhões nos últimos 4 anos).

Pergunte à Dusty e você receberá apenas meia resposta. Não que ele esteja escondendo algo, ele apenas não sabe inteiramente como ele consegue. Dusty é como outros grandes esportistas profissionais, com tremenda habilidade, mas sem entender por completo porque são assim.

Se você quer grindar, assim como ele, não é suficiente entender o que Dusty faz hoje, mas também o que ele fez para chegar onde está. Isso não aconteceu do nada, é algo que foi trabalhado dia após dia.

elky grind poker bertrand poquer grospellier
“Elky” – o Starcraft e o Poker tem muito em comum quando o assunto é disciplina.

O grind é uma habilidade reservada aos que tem disposição para trabalhar seu jogo. Não é algo que Dusty, ou qualquer outro, tenha nascido com. Isto foi aprendido.

Aqui vão algumas das características principais que um grinder precisa ter:

1 – Dedicação. Muitos não sabem, mas a habilidade de jogar sessões monstruosas que Dusty tem, veio do golf. Acertar centenas de bolas de golf por dia requer o mesmo nível de dedicação que o poker, e Dusty faz isso desde os 8 anos. Dedicação exige consistência, especialmente quando as coisas vão mal. Seja indo bem ou mal, seja cansado e sem foco, confuso e cheio de dúvidas, ou fazendo move up em stakes e runnando super bem, dedicação significa aplicar-se ao jogo todos os dias, não importa o que aconteça.

2 – Corra atrás. Dusty estava disposto a trabalhar duro pelo seu sonho de ser bem sucedido. Seja o poker ou no golf, quando ele põe algo em mente, ele quer ser bem sucedido ao máximo. Essa determinação fez ele correr atrás de seus sonhos como poucos. Você não precisa mirar o top do highstakes, mas, acima de tudo, precisa correr atrás do que você quer.

3 – Maratona. Grindar requer uma capacidade mental comparável à capacidade física para disputar uma maratona. É importante desenvolver sua mente para que ela se torne capaz disso. Quando Dusty começou a jogar poker, ele já tinha a mentalidade preparada para essas sessões gigantescas. Freqüentemente os jogadores acreditam que grindar é fácil, criam muitas expectativas e acabam caindo muito rápido. Se você criar muitas expectativas tão cedo, sua mente irá quebrar, assim como seu corpo caso você decidisse correr 30 km, quando seu corpo agüentaria apenas 5. Pense em moldar os músculos de seu cérebro baseado no que você pode fazer, não no que você quer fazer. Então, se é fácil para você jogar uma sessão de 90 min., acrescente mais 10 ou 15 minutos. Quando 100 minutos forem fáceis para você, adicione mais 15. Repita este processo.

4 – Pressione a si mesmo. Trabalhar os músculos da mente significa que será preciso pressionar a si mesmo quando estiver cansado, tiltado, distraído, ou qualquer outro motivo que leve a tempos difíceis nas mesas. Poucos notam que esses momentos acontecem quando estamos no processo de aprendizado do grind. Desistir é fácil. Aprender a grindar é difícil. Esforce-se ao máximo, e o grind logo se tornará fácil.

5 – Descansando. Para correr mais longe, você precisa de músculos mais fortes e maiores, para grindar por mais tempo, você precisa de mais neurônios (os músculos do cérebro). Tanto músculos quanto neurônios crescem quando descansamos, não quando treinamos. Se você quer um cérebro maior, você precisa treinar e depois descansar. Descansar significa ter um tempo longe do poker e dormir de forma correta. E, depois de um dia em que você realmente se esforçou nas mesas, descansar ainda mais. Seu cérebro precisará disso.

6 – Automatização. De todas as decisões que Dusty toma na mesa, menos de 3% necessitam de pensamentos mais elaborados. Com 7 milhões de mãos para trabalhar, tiveram poucas situações que desafiaram ele. A maioria foi automática. Decisões que requerem pensamentos elaborados consomem energia mental. Dusty grinda de forma fácil, por que ele sabe poupar sua energia mental, usando apenas uma fração do que a maioria dos jogadores usa. Ele pode jogar mais, jogar mais mesas, jogar mais mãos gastando muito menos energia do que um jogador normal usa. Tomar decisões de forma automática sem jogar 7 milhões de mãos é complexo. Duas dicas para isso são: 1) Mantenha-se continuamente focado em eliminar pequenos erros; 2) Revise decisões difíceis. Você aprenderá muito delas.

7 – Removendo erros mentais. Problemas como tilt, ansiedade, foco, motivação, etc, podem ser postos de lado para grindar, mas apenas por pouco tempo. Fora o estrago que eles podem causar em seu jogo, eles causam uma perda colossal de energia. Se você quer jogar uma quantidade gigante de mãos, eles precisam ir embora.


Entendendo pot odds

janeiro 4, 2011

Definição:

POT ODDS é a relação que existe entre a quantidade de dinheiro existente no pote e a quantidade de dinheiro necessária para pagar uma aposta e continuar com o direito de poder ganhar a mão. Essa relação é expressa através da divisão do valor a ser pago pelo valor do pote.

Exemplo:

Antes do FLOP existe $20 no pote. Após o flop seu oponente aposta all in de $10. Para continuar na mão, você tem que pagar. Seus pot odds são 10:30 (valor a ser pago, dividido por pote total). Simplificando, temos que o pot odds é de 1:3 (leia-se um para três).

Para que servem POT ODDS?

Através dele é possível calcular a porcentagem de vezes que você tem que ganhar o pote para justificar a sua ação.

matusow wsop odds poker artigos

Como calcular isso?

Para calcular a % de vezes que precisamos ganhar para que uma situação seja breakeven (0x0), basta dividirmos a quantia que temos que pagar pelo valor do pote após o nosso call.

Pegando o exemplo anterior: O pot tem $30 e temos que pagar $10. Ou seja, estamos recebendo 1:3. Para acharmos a porcentagem de vezes que temos que ganhar para justificar o call, dividimos $10 por($30 + $10) = $10/$40 = ¼ = 0,25. Se multiplicarmos por 100, teremos a porcentagem de 25%.

Resumindo o cálculo:

* Ache os odds que você está recebendo (1:3).
* Divida a primeira casa pela soma da segunda + primeira (1 / 3+1)
* Multiplique o valor encontrado por 100.
* O resultado será a % de vezes que temos que ganhar para que o call seja breakeven (25%)

Como se aproveitar dessa informação?

Neste post nós explicamos o conceito de equidade. Sabendo nossa equidade, podemos comparar com os pot odds oferecidos e então concluir se o movimento a ser feito será lucrativo ou não.

Vamos expandir o exemplo proposto no início desse tópico:
Estamos no flop, sendo nossa mão Th9h (dez e nove de copas). O flop possui Ah 7c 5h nos dando um flush draw e um runner runner straight draw.

O pote tinha $20, nosso oponente foi all in de $10, totalizando um pot de $30. Temos que pagar $10 em $30 do pote, que significa 1:3, ou seja, temos que ter pelo menos 25% de equidade para o call ser lucrativo.

Nós já sabemos qual é a nossa mão e qual é o flop, agora precisamos saber qual é a mão de nosso oponente. Obviamente não temos como adivinhar, mas, de acordo com a ação dele podemos estimar o range que ele possui, ou seja, a gama de mãos que ele pode ter.

No exemplo em questão, vamos assumir que o oponente é um jogador incrivelmente tight e medroso. Ele só iria all in no flop com o maior par ou mãos melhores.

Uma vez definido o range dele, podemos agora estipular a nossa equidade. Conforme explicado no artigo sobre equidade, podemos usar a Regra do 4×2 ou o PokerStove.

Utilizando a regra do 4×2, podemos assumir que temos 9 outs para o flush. Não irei adicionar outs para o runner runner straight draw porque também não estou contabilizando as vezes que o oponente vai poder fazer full house ou que pode ter um flush draw maior.

Como temos 9 outs e estamos no flop, multiplicamos 9×4 = 36. Ou seja, nossa equidade é de aproximadamente 36%.

Se colocarmos no PokerStove os ranges aqui estimados, podemos confirmar que teremos cerca de 36% de equidade.

Feito isso, temos as seguintes informações:

* Precisamos de 25% de equidade para pagar o all in no flop.
* Temos 36% de equidade sobre o range do oponente.

Como nossa equidade é maior do que o mínimo necessário, a jogada correta é pagar o all in.

Como fazer a representação inversa, ou seja, de equidade para odds?

1. Divida 100 pelo número da equidade.
2. Subtraia 1 do resultado
3. O resultado será a segunda metade da representação, ao passo que 1 será a primeira metade

Sei que parece complicado, então vamos devagar, utilizando o exemplo anterior:

Divida 100 pelo número da equidade.

Sabemos que temos 36% de equidade. Então devemos dividir 100 por 36. O resultado é aproximadamente 2.78.

Subtraia 1 do resultado

2.78 – 1 = 1.78

O resultado será a segunda metade da representação, ao passo que 1 será a primeira metade

Primeira metade = 1
Segunda metade = 1.78

POT ODDS = 1 : 1.78

Assim sendo, qualquer aposta que nos oferaça mais do que 1:1,78, é lucrativo pagar quando nossa mão possui 36% de equidade.

Como transformar odds em valores de apostas?

1. Subtrair a segunda metade dos odds pela primeira;
2. Divida o valor do pot (antes da aposta) pelo resultado encontrado.

Exemplo:

Se o pot odds é de 1 : 3 e o POT no flop, antes das apostas é de $20, temos que:

3-1 = 2.
20/2 = 10.

Assim sendo, para termos 1:3 em um pot de $20, a aposta do oponente tem que ser de $10.


Reciprocidade: A Causa do Lucro no Poker 2/3

janeiro 4, 2011

A segunda parte desse trecho do livro “Elements of Poker” tratará dos principais pontos a serem observados e estudados no poker liver (“poker de mesa”). Para conferir a primeira parte deste excelente artigo, clique nesse link.

“Meu segredo é guardar segredos.”

Eu jogo poker baseado na necessidade de saber. Eu preciso saber o que meus oponentes estão pensando. Eu preciso saber o que eles estão sentindo. E eu preciso saber com que cartas estão jogando. Enquanto isso, eu preciso que eles saibam o menos possível sobre mim. Eu chamo isso de guerra de informação.

A guerra de informação é lutada em duas frentes – enviar e receber. Para vencê-la, mande menos informação do que eles transmitem, enquanto recebe mais informação do que eles recebem. Ao controlar essas diferenças, você controla o fluxo de informação. É aí que deve procurar por ouro recíproco.

phil ivey wsop poker artigos online

Na internet, a guerra de informação é lutada em um vasto território feito de softwares de estatísticas, tells de tempo, chat, fóruns e mais. O poker fora da internet ocorre em uma mesa, então eu chamo de poker de mesa (table poker). O poker de mesa sempre vem com visões, sons, cheiros e tells e é como uma orgia eterna de troca de informação. O resto deste artigo será sobre reciprocidade de informação no poker de mesa.

Músculos

Pense no corpo humano como um dispositivo de comunicação que usa músculos para divulgar informação. Não é sempre óbvio quem está no comando do controle dos músculos. Às vezes nós estamos, e às vezes eles estão. Quanto controle você mantém sobre seus músculos, mais controle você tem sobre a reciprocidade de informação.

Face

Humanos tem duas vezes mais músculos faciais do que qualquer outro animal. A explicação favorita é que em algum ponto no passado, aumentos na musculatura facial fizeram nossos ancestrais melhores que seus vizinhos na comunicação silenciosa. Os melhores comunicadores tinham uma vantagem na sobrevivência, e em fazer sexo, e isso é um jackpot genético. Então em algum momento um gene deu à mãe natureza uma escolha, e mais músculos na face foram naturalmente selecionados.

Agora, muitas gerações e mutações depois, nós temos estes 40 músculos na nossa face, todos designados para enviar sinais silenciosos, e não podemos desplugá-los. Tudo o que podemos fazer é tentar convencê-los a ficarem quietos quando precisarmos, pelo bem do time. Durante uma mão de poker, o cérebro pode dizer “Caramba!” e então, quando a face estiver prestes a dizer a mesma coisa, o cérebro irá sussurrar com urgência “Espere! Shhh! Não mova um músculo!”

E quando isso acontece, nós vemos a poker face. A poker face é uma reação instintiva à situações em que o cérebro diz ao corpo para parar de enviar informação. Ouro recíproco vai para quem for melhor em agir instintivamente de propósito.

Mãos

Para o jogo ser jogado, fichas e cartas devem se mover, e mãos humanas devem movê-las. E onde há movimento, há informação. Às vezes uma pequena mexida na mão me dirá algo. Às vezes será a maneira com que mexem as fichas, outras a maneira com que mexem as cartas, outras vezes será a maneira com que dão check, e às vezes não será quase nada, mas sempre haverá algo.

Mas o movimento com as mãos que mais me passa informação, de longe, é quando um oponente mostra as cartas quando não deveria.

Boca

Aqui nós temos uma coleção de músculos e partes que enviam informação não somente usando expressões, mas também sons. E não somente qualquer som velho. Palavras. Sentenças. Informação de alto nível. Isso é uma ótimo notícia para o minerador de reciprocidade já que não há regras que exigem que os músculos da boca se movam enquanto joga poker. Você tem o direito de permanecer calado.

Meus professores

Eu não posso te dizer que mais quieto é universalmente mais lucrativo do que mais barulhento. Eu não posso dizer que a inércia vence o movimento. Eu não posso te dizer menos é sempre mais. Mas eu posso te contar uma história.

Eu costumava embaralhar fichas até minhas mãos doerem. Minhas pernas pulsavam tanto que tinham padrões previsíveis como um carro porcamente alinhado. Eu havia me enfiado em um cassino por meses ou anos de uma vez e falava tanto na mesa que eu era um comitê de boas vindas, capitão da mesa e tradutor de garçonete ao mesmo tempo. E com todo esse movimento e toda essa fala, eu ainda conseguia pagar mina comida e meu aluguel com os ganhos do poker porque eu ainda estava muito a frente dos meus oponentes na guerra de informação, por causa do que eu não fazia, e do que não dizia, e quando.

Eu não mostrava mãos. Eu não falava sobre mãos. Eu escondia alegria e desapontamento. Quando se trata de informação, eu era um livro aberto sobre tudo, exceto poker. Eu aprendi a jogar dessa forma porque sempre que eu ia para Vegas, no começo, eu encontrava dois tipos de jogadores: os que eu tinha medo e os que eu não tinha. Naturalmente eu prestava mais atenção nos jogadores que eu tinha mais medo. A coisa mais interessante que todos eles tinham em comum era aquela incrível maneira de olhar como se não dessem a mínima. E isso me deixava morrendo de medo. Então eu copiei eles e aprendi suas habilidades. E quanto mais eu fazia o que eles faziam, mais eu percebia que o que eu aprendi com os meus professores foi como jogar o que eu chamo de “sexta street.”

Sexta Street

A sexta street começa quando as apostas param. A sexta street é quando os jogadores relaxam, que é o que pagam para não fazer. Reciprocidade.

A sexta street é quando estátuas se tornam fontes. Enquanto jogam o turn e o river, os jogadores estão estóicos, fazendo o melhor para dar a menor quantidade de informação possível. E então, tão logo as apostas parem, suas partes começam a se mover, distribuindo informação sobre seus pensamentos, seus sentimentos e suas cartas. A sexta street é quando os jogadores abaixam a guarda, como se de repente fosse seguro revelar segredos confidenciais para o inimigo. É como se ele nem soubessem que a guerra ainda continua.

No rio da informação, a sexta street é uma fonte confiável para procurar por ouro.

Mum Poker

Uma corrida armamentista militar resulta em bombas maiores e bunkers mais grossos. Uma corrida armamentista zoológica resulta em caças com camuflagem esquisita e predadores que podem vê-los de qualquer maneira. A guerra da informação no poker é uma corrida armamentista, e se alguém quiser levá-la para seu natural extremo – e eu levei – eu jogaria um estilo de poker que chamo de “mum poker” – e eu jogo.

Por fora, mum poker é a tradicional poker face, estendida por todo o corpo e mantida até a sexta street. Por dentro mum poker é não reclamar, não culpar, não arrepender. Mum poker é inércia. Mum poker é prontidão. Se você quer ir até o fim com isso, você pode pensar em mum poker como sendo o zero absoluto, a cessação do movimento. É conhecido em teoria, e para sempre aproximável, e ainda assim inatingível.

Ou você pode pensar em mum poker como sente e cale a boca.

Hoje, quando eu jogo poker puramente por lucro, eu jogo mum poker. Eu uso um boné de baseball, sem óculos de sol, e sem rótulos. Eu raramente faço contato visual. Eu não falo a menos que falem comigo, e mesmo assim, eu não reajo a questões ou comentários sobre poker. Eu descobri que quanto menos informação eu enviar, mais eu foco no jogo. E quando estou focado no jogo, eu envio menos informação. Quando eu emprego o mum poker, eu luto por ouro recíproco em ambas as frentes da guerra de informação simultaneamente.


Psicologia no Poker

janeiro 3, 2011
Retirado do Clube do Poker

Quanto mais competitivo se torna o poker, maior é a necessidade de achar fraquezas em áreas onde outros jogadores não costumam olhar.

A psicologia é uma dessas áreas, porque o número de jogadores que a desprezam ainda é maior do que o número daqueles que realmente dão valor. Não faz muito tempo que os jogadores vencedores não precisavam trabalhar com fatores como tilt, foco, motivação, confiança, etc. Mas isso mudou.

O grande número de jogadores, associado ao material de qualidade sobre poker disponível hoje em dia, exige que você explore um lado não muito visado do poker para ter vantagem sobre seus oponentes: o lado mental.

phil hellmuth wsop poker artigos poquer online live

Melhorar seu lado mental no jogo acontece conforme você melhora suas técnicas e habilidades. Tudo se resume a elaborar uma estratégia baseada em informação de qualidade, e como o lado psicológico nem sempre é tão obvio, a seguir listarei 6 (de muitos) importantes fatores onde a psicologia é importante em seu jogo.

1. Situações de Tilt

O dinheiro jogado fora por jogadores em tilt é um lugar estranho para achar oportunidades, mas pode ser um dos melhores, caso você saiba como tirar vantagem dele. Poucos são os jogadores que notam que erros realizados durante o tilt, sejam eles estratégicos ou mentais, na verdade não são causados pelo tilt. O tilt apenas revela os erros. É como se o tilt destroçasse as defesas de seu jogo, deixando visíveis e vulneráveis os seus pontos.

Quando você entra em tilt, o excesso de emoção derruba sua habilidade de pensar; conseqüência de uma reação natural presente no cérebro de todas as pessoas do planeta. O fato de você perder a capacidade de pensar corretamente é a razão pela qual o tilt é um problema tão grande.

Sem pensar direito, as terríveis decisões que você faz durante o tilt mostram os piores hábitos/decisões de seu jogo. Mesmo que essas terríveis jogadas pareçam óbvias e básicas para o seu atual nível de jogo, cair nelas mostra que você ainda não as dominou completamente.

Claro que o melhor é não cair no tilt, mas enquanto você não se “blinda” 100% contra isso, fique atento aos seus erros… e também aos dos oponentes, quando eles entrarem em tilt.

2. Jogando mais mesas e mais horas do que possível

Se o máximo de peso que você consegue levantar são 150 libras, seria suicídio tentar levantar 250 libras; mesmo assim é comum vermos jogadores tomarem atitudes parecidas com essa, jogando mais mesas e horas do que realmente pode. Claro que pode parecer razoável para você jogar 4 horas quando você só pode jogar 2, ou jogar 12 mesas quando só pode jogar 7. Mesmo assim você não deve fazer essas loucuras. Talvez uma vez ou outra, quando as estrelas se alinharem perfeitamente (um dia com clima perfeito, com seu jogo fluindo bem e as mesas cheias de fish), porém isso requer muito trabalho mental.

Pense nisso como um treino ou malhação. Então, comece com o que você “aguenta”, e com o passar do tempo vá adicionando mais mesas e horas em seu jogo. Se em média suas sessões duram 2 horas, depois de uma ou duas semanas, comece a adicionar 10~15 minutos a partir da terceira semana. Quando estiver confortável, adicione outros 10~15 minutos.

Mantenha o ritmo e em um ou dois meses você estará jogando de 3 a 4 horas. O mesmo é aplicado ao número de mesas.

3. Variância acontece

A questão não é se a variância aparecerá, porque ela vai aparecer! A questão é como reagir a ela. Seja em uma grande seqüência de bons resultados ou terríveis jogos, o principal problema da variância é que ela afeta a sua confiança. Com bons resultados você pode se sentir o deus do poker, já com péssimos resultados você pode se sentir exatamente o contrário.

A razão pela qual a confiança está perfeitamente alinhada com seus resultados é a forma como você avalia a qualidade de seu jogo: Baseado nos resultados. Claro, dinheiro e resultados são o que mais importa – mas é sua habilidade que produz esses resultados a longo prazo e é nela que você deve focar.

Para fazer a mudança de foco – priorizar as habilidades ao invés dos resultados – você precisa avaliar a qualidade de seu jogo depois das sessões. Não é preciso de muito, cerca de 15 minutos é o suficiente. Em dias onde você perdeu, mas notou durante a revisão da sessão que jogou de forma correta, fique feliz! Você diminuiu suas perdas, e isso é uma grande vitória.

4. Fazendo progresso

Melhorar seu jogo raramente será feito de forma linear. É parecido como um carro com problema de motor: muitas paradas e partidas, arrancando às vezes e ocasionalmente ficando completamente parado. Deixando a variância de lado, seu progresso não deve ser dessa maneira. Tendo conhecimento do processo de melhora você pode manter sua curva de aprendizagem movendo-se sempre para cima, minimizando as subidas e descidas bruscas.

Pela maior competitividade de hoje, o trabalho duro não é mais suficiente para conseguir esse progresso. Você tem que ser mais esperto e mais eficiente. Este é um assunto que renderia um livro inteiro, mas eu gostaria de ressaltar alguns coisas:

1 – Dar um passo para frente e um passo para trás – É assim que ocorre o progresso. Cada passo para trás é uma chance de provar que seus pontos fracos melhoraram. E cada passo para frente é uma chance de provar que seus pontos fortes estão ainda melhores.

2 – Liste seus erros (estratégicos e mentais), e analise depois das sessões. Assim você poderá focar na melhoria de cada um deles. Faça isso consistentemente, alguns meses depois você poderá ver uma grande melhoria no seu jogo.

3 – Revise todas as mãos que você encontrou problemas, não só as que você ganhou ou perdeu mais. Marque-as quando acontecerem, assim você poderá encontrá-las facilmente depois da sessão.

5. Cria sua “zona”

O clima perfeito para o jogo não aparece do nada. Ele ocorre por uma boa razão. A “zona” – o lugar de extremo foco, presença perfeita, e grande jogo .

Para alcançar este “nirvana” do poker você precisa remover qualquer coisa que retire sua atenção. Todo tipo de distração (internet, telefone, tv, etc) e também o tilt. É mais fácil falar do que fazer, mas se fosse fácil à recompensa para seu jogo não seria tão grande.

Você também precisa se preparar para isso. Para que a você chegue nesta zona com consistência você precisa focar sua mente apenas no poker. Comece a trabalhar sua mente antes de começar a jogar, assim você já estará nesta zona quando as cartas forem dadas. Para mais informações nesse sentido, recomendamos dar uma lida neste artigo.

6. Fazendo Moving Up.

Subir de stacks não deve ser tratado com desespero. Algo como “vencer ou morrer”. O objetivo é estabilizar seu jogo no novo nível assim como você fez no nível anterior. Esta sutil diferença tornará você mais agressivo ao tentar alcançar o novo nível e automaticamente aumentará o prazo para a expectativa de sucesso de sua subida. Estes dois fatores reduzem a pressão. E como você não está apenas tentando alcançar bons resultados imediatamente nesse novo limite, seu foco estará em melhorar suas habilidades o suficiente para competir com os jogadores regulares, e assim você realmente irá aprender mais rápido.

Então, ao invés de apenas subir de nível e torcer para se dar bem lá, considere os seguintes pontos:

1 – Identifique fraquezas que não eram prioridades nos níveis mais baixos

2 – Estude outros jogadores para aprender a maneira como eles jogam

3 – Jogue menos mesas para ter maior foco.

4 – Mantenha-se agressivo e focado em melhorar suas habilidades.

Preocupando-se apenas com sua habilidade, o lucro virá naturalmente.


Poker online – 10 erros cometidos 3/3

janeiro 2, 2011

Esta última parte dos erros mais frequentes cometidos pelos jogadores inexperientes em poker online abordará temas já desenvolvidos aqui, como a falta de atenção e o jogo short handed. Além dois novo serão estudados como a irracionalidade do blefe nos micro limits e a necessidade de parar de jogar em certos momentos. As duas primeiras partes do artigos podem ser encontrados logo abaixo:

Parte 1; Parte 2;

Erro #7 – Não prestar atenção.

Todos falam sobre ler seus oponentes, jogar de acordo com seus oponentes, etc. Mas como você fará isso se você não estiver prestando atenção na ação da mesa? Não prestar atenção é um erro muito comum no jogo on-line, e pode acarretar em muitos erros em decisões estratégicas importantes.

Vamos conferir algumas das mais comuns distrações dos jogadores on-line:

Ler e-mails
Falar ao telefone
Assistir televisão
Jogar duas mesas
Navegar na internet
Conversar com seus amigos, familiares, etc.

Um ponto crítico para avançar seu nível de jogo é criar um ambiente correto para que você possa focar a ação e seus oponentes. Identificar as tendências de seus oponentes e jogar de acordo com isso não é uma habilidade fácil de se desenvolver e requer sua constante e total atenção.

É muito fácil jogar em um estilo robotizado, onde você simplesmente joga suas cartas. Você pode até fazer dinheiro com esse estilo, que é o que os jogadores de múltiplas mesas fazem. Porém, esse estilo de jogo não irá maximizar seus lucros e também não irá ajudar você a crescer como jogador, adquirindo experiência a tomar decisões baseadas nas tendências de cada oponente. Então, crie um ambiente que conduza você a melhorar seu jogo.

grind grinding online poker artigos poquer computer table live

Encare o monitor como encararia uma pessoa real.

O que você pode fazer para mudar isso? Leia seus e-mails antes de sentar às mesas. Desligue a tv ou coloque-a longe de onde você estiver jogando. Se for possível, não atenda ao telefone. Agende suas sessões de poker para não conciliar com o seu tempo social ou atividades familiares (para outras dicas em como melhorar a concentração no jogo online, dê uma olhada nesse outro artigo sobre esse tema específico).

As conseqüências de não prestar atenção podem ser a diferença entre um jogo medíocre e avançado. Vamos conferir alguns exemplos: Você está no Cut-off com AJ offsuit e o jogador antes de você aumenta, tendo a mesa rodado em fold. Normalmente esse seria um fold fácil contra um jogador regular. Mas e se o oponente aumentou 7 das 10 últimas rodadas? Se você não notou isso devido a distrações você irá simplesmente foldar, mas se você notar que ele é um maníaco, essa é uma grande chance para um reraise. Outros exemplos não são tão claros e precisão de muita atenção para serem identificados.

Por exemplo, um jogador em particular na sua mesa nunca aplica check-raise. Ele sempre aposta com as mãos fortes e dá check com mãos fracas. Se você está prestando atenção, poderá foldar suas mãos medíocres quando ele apostar ou poderá apostar quando ele aplicar check. Esta é uma informação valiosa mas não será não notada a não ser que você esteja prestando muita atenção à ação da mesa.

Faça um teste: Da próxima vez que você sentar à mesa, preste atenção por 10 minutos e então pergunte a si mesmo algumas simples questões:

– Quem está sendo tight no préflop e quem está sendo loose?
– Ha algum jogador loose agressive sentado na mesa?
– Quem são os rocks no pósflop e quem persegue quaisquer outs?
– Quem são os dois melhores jogadores da mesa?

Dez minutos podem não ser o suficiente, e suas primeiras impressões podem acabar mudando. Mas você precisa começar a criar históricos de cada jogador desde o exato momento em que você senta à mesa. Preste atenção na ação e primeiramente aprenda a identificar as tendências de seus oponentes. Eventualmente você será capaz de se focar em tendências mais complexas, como quais oponentes gostam de aplicar checkraise, quais oponentes gostam de aplicar slowplay, e quais gostam de aplicar o semi-bluff. Eu comumente comparo o aprendizado do holdem com o aprendizado de outra língua. Assim que você sente que estabilizou seu jogo, algo novo se tornará obvio para você e então você dá um salto para outro nível. Então, preste atenção e desenvolva a habilidade de ler seus oponentes. Isso irá ajudar a tomar as melhores decisões.

O pior erro é jogar em limites muito mais altos que seu bankroll. É o pior erro porque no final você não poderá jogar mais. Se você não se importa em quebrar, então você pode correr mais riscos. Mas se você quer jogar poker pelos anos que virão, você tem de gerenciar de forma correta seu bankroll.

Erro #8 – Blefar demais.

Não há nada mais glamuroso e excitante do que fazer um grande blefe em uma mesa de poker. Para o jogador, a satisfação não vem somente por faturar um bom pote, mas também por desafiar e vencer um oponente.

Infelizmente, muitos jogadores acabam entrando em problemas por blefar demais. Isto é mais visível no on-line do que nos jogos ao vivo. Blefar demais não é rentável na internet. Especialmente nos jogos de limites baixos, onde freqüentemente vemos mãos chegarem até o showdown.

Há muitas razões para tentar blefar no poker. A mais obvia delas é o lucro imediato que você consegue ao aplicar um blefe bem sucedido. Ao jogar contra jogadores observadores, é importante blefar para conseguir ação no futuro, quando você tiver mãos sólidas. Este é, por exemplo, um dos pontos chaves para o sucesso de Gus Hansen. Ele ganha e perde muito por causa de seus blefes, mas são os lucros conseguidos em mãos realmente sólidas que o torna em um jogador bem sucedido. Se você não blefar não será pago muito freqüentemente, já um jogador que blefa freqüentemente será desafiado muitas vezes. É a combinação do lucro imediato ganho e o valor das jogadas futuras que torna o blefe lucrável, quando aplicado nas situações corretas.

Mas tenha em mente que o jogo on-line é bem diferente do que o jogo ao vivo. Blefar na internet não te da o mesmo valor para as jogadas futuras do que no jogo ao vivo. No on-line os jogadores não prestam tanta atenção quanto nos cassinos, e poderão não notar seu blefe. Eles podem estar disputando em duas mesas, assistindo tv ou lendo os e-mails. Além do mais, você não joga tantas vezes contra o mesmo oponente no on-line para tirar proveito de sua imagem loose. Você pode estar tentando aplicar um blefe, e em 15 minutos depois você terá quatro ou cindo jogadores novos sentando à mesa. Claro, algumas vezes blefar é preciso em jogos onde os jogadores não saem e entram no jogo muitas vezes e quando enfrentamos jogadores regulares, mas no jogo on-line essas situações são exceções e não a regra.

O princípio fundamental é que o blefe nos jogos on-line praticamente só agrega valor na jogada específica em que você o aplica, ou seja, você só tem o lucro imediato da jogada. Uma vez que o valor agregado das jogadas futuras diminui muito, blefar, geralmente, é menos lucrativo no on-line se comparado ao jogo ao vivo.

Mesmo assim muitos jogadores ainda blefam bastante no jogo on-line. Eu acredito que isto é resultado de duas características únicas do jogo on-line: O muro virtual da internet faz com que muitos jogadores tentem enganar muito mais do que no jogo ao vivo. Se Ganha muito mais confiança e coragem ao não termos que olhar nos olhos de nossos oponentes. O ambiente virtual também torna mais fácil comprometer suas fichas para tentar um blefe. Se você vai blefar, tudo se resume ao clique do mouse. Compare isso ao jogo ao vivo, onde você tem que fisicamente mover suas fichas até o centro da mesa enquanto seu oponente lhe observa. Muitos jogadores acabam não se preocupando com suas “fichas virtuais”.

Tome cuidado para não permitir que essas tentações guiem seu jogo. Tenha em mente também que por haver mais blefes no jogo on-line, os oponentes pagaram seus blefes mais freqüentemente do que no jogo ao vivo. Esta é mais uma razão para ser bem seletivo ao tentar blefar

Erro #9 – Não saber a hora de parar.

Muitos jogadores tem objetivos à curto prazo. Eles sentam na mesa e querem fazer dinheiro… agora! Muitos sofrem por encerrarem a sessão com uma grande perda. Isto mata eles. Quantas vezes você já ficou até altas horas da madrugada tentando ao menos terminar a sessão even (igual a como começou)? Ou quantas vezes foi dormir chateado e com peso na consciência, se sentindo um jogador perdedor?

Infelizmente, este tipo de pensamento esconde a qualidade de seu jogo. Tentar recuperar suas perdas é um propósito errado, especialmente quando você está sonolento. Você começará a entrar em mais potes, torcendo para que acerte uma grande mão. No flop você pode estar com um draw fraco, mas decide ir em frente esperando acertar um grande pote e voltar ao even. Você não acerta o flop e então decide: “Ah, uma aposta a mais não vai me machucar”, e então paga o turn. Você acaba perseguindo outs em situações com má perspectiva, onde é muito difícil acertar seu jogo. Você quer ir dormir com a consciência limpa, sem peso, mas acaba se enterrando cada vez mais.

Para todos que se vêem na situação descrita acima, eu tenho um simples conselho: Você sempre poderá voltar ao even amanhã ou no dia seguinte. Poker é um jogo longo e continuo que nunca acaba. Pensar nele em termos de sessões ou até mesmo semanas deixará muitos jogadores de mau humor. Para ter uma perspectiva correta do jogo, sempre analise no longo prazo. Eu sempre analiso meus resultados mensalmente.

A internet é maravilhosa para os jogadores de poker, pois você sempre terá um jogo para disputar. Quando as coisas estiverem ruins e você começar a se ver esperando um grande pote, é melhor sair da mesa e esperar o dia seguinte para que as coisas voltem ao rumo correto. É uma decisão muito simples quando pensamos melhor sobre ela. Você pode continuar a afundar ou sair e voltar em outro dia, mentalmente renovado. Então lembre-se: Você pode sempre voltar ao even amanhã ou depois de amanhã.

Erro #10 – Jogando em mesas short-handed com pouca experiência.

Mesas short-handed são um dos estilos de poker mais lucrativos. Meus ganhos sempre foram maiores em short-handed se comparados ao jogo full-ring. Existem, basicamente, duas principais razões para esse fato.

1 – Jogadores mais experientes tem maior vantagem no short-handed contra a maior parte dos oponentes.

2 – Você recebe mais mãos por hora, então você tem mais oportunidades de aproveitar erros de seus oponentes.

Vamos discutir brevemente estes dois pontos. o jogo short-handed requer mais habilidade que o jogo full ring. Entender as tendências de seus oponentes é muito mais importante no short-handed do que no full-ring. No jogo full ring, muitas vezes, você pode simplesmente sentar, esperar as cartas e só isso já lhe será rentável. O jogo short-handed não lhe dá esse luxo. Você paga blinds com muito mais freqüência, então tem de aprender a jogar mãos fracas. A maior parte de seus lucros será conseguido em cima das fraquezas individuais de seus oponentes. É preciso ser um jogador experiente para identificar essas fraquezas.

Em um jogo full ring você recebe cerca de 70 mãos por hora. Em um jogo short-handed este número pode ser de 100 até 120 mãos por hora. Estas mãos extras dão aos jogadores experientes mais oportunidades de tirar vantagem sobre seus oponentes. O resultado final é um lucro por hora muito maior do que nos jogos full ring.

Pode parecer que estou promovendo o jogo short-handed. É verdade que ele pode ser mais lucrativo, mas os jogadores iniciantes podem enfrentar muitos problemas ao disputar partidas short-handed. Eles não têm experiência suficiente para jogar bem nessa modalidade. De vez em quando eles engrenarão em uma good run e acabarão viciados no jogo short-handed, ainda mais do que no full ring, mas normalmente perderão este dinheiro.

Um dos maiores erros que você pode cometer é disputar uma partida onde você está em desvantagem, especialmente com um número alto de mãos por hora. Os iniciantes não só estão em desvantagem como também não tem o bankroll necessário para suportar as flutuações. Essas flutuações também levam os jogadores à tiltar mais facilmente, o que é outra grande fraqueza dos jogadores iniciantes. O jogo short-handed é jogado de forma completamente diferente e você precisa de muita experiência para se dar bem. Meu conselho é manter-se no full ring para melhorar seu jogo antes de tentar outras variações de disputa.


Poker online – 10 erros cometidos 1/3

janeiro 1, 2011
Escrito por Matthew Hilger – Jogador Profissional de Poker
Traduzido pelo site Clube do Poker

Este texto é uma série de artigos, que eu chamo de “Top 10 – Erros cometidos por Jogadores on-line”. Estes são erros que tornam fácil separar os homens dos meninos, ou as mulheres das meninas. Quando vejo um desses erros em algum jogador, eu posso começar a generalizar sobre seus jogos. São erros que, quando cometidos pelos oponentes, tornam o poker um jogo tão lucrativo.

Os erros não são cometidos em uma ordem particular. A maior parte dos erros também se aplica ao jogo live, entretanto dois ou três deles são mais cometidos no jogo on-line. Alguns são óbvios, mas outros são mais sutis. Se você conseguir minimizar esses 10 erros em seu jogo você estará no caminho certo para se tornar um jogador lucrativo.

grind grinding poker online artigos poquer room sala ftp

Quantidade e lucratividade não andam, necessariamente, juntas.

Tenha em mente que no Texas Holdem, a maior parte de seus lucros será obtida em cima de erros de outros jogadores. Não pelo seu brilhante jogo, então esteja esperto para não recompensar seus oponentes cometendo algum desses erros.

Erro #1 – Jogar muitas mãos.

Qualquer jogador que tenha lido ao menos um livro ou artigo de poker sabe que a classificação de mãos iniciais é o tijolo fundamental para a construção de uma estratégia lucrativa. Porém, muito poucos jogadores demonstram conhecimento e/ou paciência para jogar boas mãos iniciais. Por que essa estratégia é tão crítica no Texas Holdem?

Jogar menos mãos que seus oponentes lhe dá vantagem ao longo prazo. Pense um pouco, se seus oponentes jogam 40% de suas mãos e você joga 20%, você terá vantagem na maioria das mãos que jogar. Você ganhará muito mais potes com o melhor kicker. Quando você acertar um par, eles serão menos vulneráveis contra overcards. Seus straights baterão straights mais baixos. Seus flushes serão mais fortes que os de seus oponentes… E assim por diante. Jogando menos mãos você se coloca em melhor posição para vencer a jogada.

Então, quantas mãos você deve jogar? Isto é relativo. Cada jogo é diferente, e isso afeta o número de mãos que podem ser lucrativas. Um dos critérios principais da estratégia de mãos iniciais é o quão loose ou tight o jogo é. Você pode jogar mais mãos de posições finais da mesa com mais jogadores disputando a mão. Por exemplo, 55 geralmente não é uma mão lucrativa contra apenas um jogador, entretanto, essa mão pode ser muito lucrativa se seis jogadores entraram de limp no pote. Quanto mais jogadores verem o pote, maiores são os seus implied odds. Jogos mais loose permitem que você joga um numero ligeiramente maior de mãos.

Outro bom exemplo, é quando você está em posição inicial. QJs não é uma mão muito segura quando jogada em posição inicial. Mas, quando um jogador entra de limp antes de mim será melhor que eu jogue a mão. Eu tenho melhores Implied odds para meus draws. Além disso, quando dois jogadores entram de limp no pote, seus oponentes estão menos propensos a aumentar depois de você se não tiverem mão premium. Então, jogos mais looses permitem que você jogue mais mãos, mas não exagere. Por favor, não deixe que isso lhe faça jogar muitas mãos iniciais simplesmente porque está jogando em mesas loose. Jogo mais loose permitem que você jogue algumas mãos iniciais a mais que o normal.

Outro critério da estratégia de mãos iniciais é se a sua mesa é agressiva ou passiva. Muitas mãos se tornam “injogáveis” quando o pote é aumentado. Este é um conceito simples, mas muitos jogadores falham em entendê-lo. Um raise indica que seu oponente tem uma mão forte, e também diminui seus pot odds. Seja bem seletivo com suas mãos quando o pote for aumentado.

Vamos dar uma olhada no grande paradoxo do poker: “Quanto melhor você é, mais mãos você poderá jogar” Na verdade é exatamente o contrário! – O número de mãos que você joga deve ser dependente do quão bom jogador você é. Jogadores mais avançados são capazes de sobrepor as fraquezas de algumas mãos iniciais usando seu excelente jogo pós-flop para vencer seus oponentes. Eles tomam melhores decisões no flop, turn e river para minimizar suas perdas com mãos fracas e maximizar suas vitórias. Isto permite que eles joguem mais mãos lucrativas que os jogadores iniciantes. A maioria dos jogadores iniciantes e intermediários deve jogar de maneira super tight até ganharem mais experiência. Então, pense nisso quando vir um bom jogador jogando uma mão questionável… Ele pode jogar muito bem com essa mão, mas isso não quer dizer que um jogador mediano conseguirá fazer o mesmo. Muitos jogadores cometem o erro de ver mãos fracas ganharem muito, e se sentirem tentados a fazer o mesmo.

Eu guardo todas as minhas hand histories, e às reviso com o Poker Stat e Poker Tracker. Esses dois softwares te dão um bom número de informações, incluindo com que freqüência você vê o flop. Uma analise interessante que fiz foi conferir os 20 jogadores mais vencedores com os quais disputei, no mínimo, 2000 mãos. A partir daí, eu fiz uma analise mais particular. Eu descobri que o range de mãos jogadas pelos jogadores mais vencedores girava em torneio de 18 a 28%, com a maioria estando entre 20 e 22%. Essa analise foi feita em jogos tight, então você deve ver porcentagens ligeiramente maiores em jogos loose… Mas isso deve lhe dar uma boa idéia. Em geral, a maioria dos jogadores deve jogar 15%~25% de suas mãos. Quanto menos experiente você for, mais baixo o seu range deve ser. Sim, jogadores avançados podem jogar um pouco mais do que o range indica, mas é melhor para os iniciantes e intermediários evitar mãos que podem lhe meter em confusão.

Erro #2 – Perseguindo outs que não vão ajudar você a vencer.

Muitos jogadores comentem o erro de pensar que se conseguirem melhorar sua mão, vencerão. Por exemplo, eles têm AK em um flop com T95 e decidem que os pot odds justificam a perseguição pelo As ou Rei, que tem cerca de 7 para 1 de chances de melhorar na próxima carta. O problema é que talvez seus oponentes já tenham te vencido ou a carta que melhora sua mão possa também melhorar a mão de seus oponentes..

Por exemplo, nesta mão em particular, você está com muitos problemas se seu oponente segurar TT, 99, 55, T9, QJ (o rei dá a eles um straight), AT, A9, A5, KT, etc. Note que todas essas mãos são bem típicas, e muitos oponentes as jogam. Em confronto com qualquer uma dessas mãos, você praticamente não tem chances de vencer. Além disso, suas chances de melhorar a mão são de 7 para 1, e isso é muito menos do que você realmente vai ganhar, caso consiga bater seu oponente. Perseguir outs que não ajudarão você a ganhar é o segundo maior erro dos jogadores online (mas também é muito cometido por jogadores ao vivo). Vamos falar um pouco mais sobre aplicar odds ao poker…

o “out” é um conceito importante ao falarmos de probabilidades odds. O out é uma carta que melhora sua mão. Por exemplo, quando você tem duas cartas de copas nas mãos, e o flop trás mais duas cartas de copas, você precisa de mais uma para formar o flush. Existem 9 cartas de copas restantes do baralho, ou seja, 9 outs que podem melhorar sua mão. Se você tem AhTh, e acredita que um outro As pode lhe ajudar a vencer a mão, você então terá 12 outs: As nove cartas de copas e os três Ases restantes.

Um out é contrário quando a carta que melhora sua mão dá ao seu oponente uma mão ainda melhor. Por exemplo, você espera formar seu flush, mas pode perder para um flush ainda maior ou até mesmo um Full House. Você pode acertar uma over card e perder para dois pares, trinca, striaght ou para um flush.

Quando calcular seus odds, você deve descontar um out sempre que houver a chance de melhorar seu jogo, mas mesmo assim perder a mão. Uma vez descontados esses outs, você poderá confrontar os odds para melhorar sua mão com os odds para realmente vencer a mão, e assim planejar a melhor estratégia.

Quantos outs você deve descontar é dependente de quantos jogadores você enfrenta e da leitura que você tem deles. Por exemplo, você tem três outs para um As e sente que pode vencer 2/3 das vezes contra apenas um oponente, se conseguir o As. Sendo assim, você descontará de seus três outs um out. Porém, contra dois oponentes talvez você sinta que só vença 1/3 das vezes, então você desconta dois de seus três outs. Ao enfrentar três ou mais oponentes, você pode achar que mesmo que consiga seu As, não conseguirá vencer o pote. Neste caso, você deve desconsiderar seus outs para o As, uma vez que você já está batido. Chamamos isso de Drawing Dead.

Drawing Dead é quando você não tem chances de melhorar seu jogo para vencer a mão. Isso ocorre quando seu oponente “contraria” todos os seus outs ou já tem uma mão melhor do que você pode conseguir. Por exemplo, você pode estar perseguindo duas overcards e seu oponente já tem uma trinca, dois pares, ou seus outs dão a ele uma mão ainda melhor.

Tenha em mente que as chances de seus outs serem contrariados aumentam de acordo com o número de oponentes que você enfrenta. Há também diferentes tipos de flops que farão você ter que descontar ou até mesmo descartar seus outs. Por exemplo, flops com cartas do mesmo naipe ou conectores. Nestes casos você pode perseguir seus outs e perder para flushs, straights ou dois pares.

Outra situação que devemos considerar ao determinar nossos outs é quando melhoramos nossa mão no turn e nosso oponente consegue uma mão ainda melhor no river.

Há muito poucas mãos que conseguem garantir uma vitória no turn. Nut Flushes podem perder para um Full House se o bordo formar um par no river, o nut straight pode perder para um flush no river, dois pares podem perder para uma trinca, etc.

Muitos jogadores reclamam de má sorte quando eles conseguem um bom jogo no turn, mas perdem no river. Bons jogadores têm noção de que essas situações ocorrem com freqüência e levam elas em consideração ao tomar suas decisões. Bordos com draws no flop devem ser foldados às vezes, devido à possibilidade de perder a mão no river.

Entender a maneira correta de calcular odds é crítico para seu sucesso no Texas Hold`em. Esteja seguro de que você não está perseguindo outs que não lhe ajudarão a vencer.

Erro #3 – Calculando odds com duas cartas por vir.

No flop, você pode calcular a probabilidade de melhorar sua mão na próxima carta ou as probabilidades de melhorar sua mão tanto no turn quanto no river. Muitos jogadores usam uma cartilha que indica seus odds de acordo com o número de outs, assim você enxerga facilmente as probabilidades. Calcular probabilidades é muito simples. Os problemas vêm quando fazemos os cálculos baseados em duas cartas por vir.

Por exemplo, digamos que você tenha um gut shot draw. Os odds para melhorar sua mão na próxima carta são de 11 para 1. Os odds para melhorar sua mão tanto no turn quanto no river são de 5 para 1. Jogadores que sempre pagam no flop quando tem 5 para 1 em pot odds estão cometendo um erro. Vamos dar uma olhada mais detalhada:

Muitos jogadores esquecem de incluir o custo da aposta no turn. Se você conta que seu draw será completo até o river, com duas cartas ainda por vir, você deve incluir o custo da aposta no turn em seus calculos. Por exemplo, você tem um gut shot draw em um jogo de $1~$2 e já temos $5 no pote. Você tem 5 para 1 de pot odds. Os odds para melhorar sua mão até o river são de 5 para 1. Se você considerar que haverá uma aposta de $1 no flop então você poderá pagar; Entretanto, isso não é correto uma vez que você terá de pagar $1 no flop e $2 no river. As probabilidades de melhorar sua mão, que são de 5 para 1, são baseadas no fato de que você receberá duas cartas, então seus calculos devem ser feitos junto ao custo de receber essas duas cartas. Sendo assim, você deve poder ganhar $15 para poder pagar de forma correta ($3 x 5). Com apenas $5 no pote no flop, será difícil ganhar mais $10 de seus oponentes para justificar o call.

É normal pagar no flop e foldar no turn. Mesmo quando você inclui em seus calculos o custo do turn, poderá cair em alguns erros, já que algumas vezes você irá foldar mesmo quando pagar mais uma aposta no flop é correto. Digamos que no exemplo acima, tivéssemos $8 no pote e encararmos uma aposta de $1. Se você usar novamente o cálculo de duas cartas por vir, verá que precisa novamente de $15 para fazer um call correto. É muito difícil que você ganhe $7 adicionais de seus adversários no turn e no river então você decide foldar. Entretanto, isto é um erro. No flop, você terá de pagar apenas $1 para ver mais uma carta. Os odds para melhorar sua mão na próxima carta são de 11 para 1. Sendo assim, você precisa ganhar um total de $11 para justificar seu call no flop. Com $8 já no pote, você tem bons implied odds para ganhar mais $3 no turn e/ou no river para justificar o meu call no flop. Neste exemplo em particular, é correto pagar no flop quando as apostas são baixas e então foldar no turn quando elas aumentam. Algumas vezes você elimina essa possibilidade quando calcula odds com duas cartas por vir.

Ao calcular odds com duas cartas por vir você acaba se comprometendo em ver o river, não importando o que aconteça. Este pode ser um erro uma vez que o pote pode aumentar, o turn mudará o contexto do bordo, o que pode contrariar seus outs.

Então, como se devem tomar decisões calculando odds? No Limit, você deve aplicar os odds a cada rodada, uma por vez. No flop, calcule as probabilidades de melhorar sua mão na próxima carta e então compare com os implied odds que você está recebendo. Os Implied Por Odds incluem a atual quantia do pote e mais qualquer outra aposta que você espera ganhar de seus oponentes se conseguir melhorar a mão (às vezes você pode melhorar no turn e perder no river, então essa possibilidade tem de estar em seus calculos também). Se você não melhorar a mão no turn, repita o processo no river, calculando seus odds para melhorar a mão nessa rodada aos implied pot odds. Ao tomar uma decisão por vez evitamos erros e evitamos ficarmos comprometidos com potes onde a situação pode mudar drasticamente.

Alguns podem estar se perguntando, “Quando se usa odds com duas cartas por vir? E por que tantos livros têm tabelas de odds com duas cartas por vir?”. Odds com duas cartas por vir devem ser usados em situações de allin. Isso ocorre muito em No Limit. Alguém aposta e você está prestes a ir allin no flop. Neste caso, odds com duas cartas ajudam muito. Isto pode acontecer também em limit quando você ou seu oponente podem estar em allin devido ao stack baixo, mas isso não é tão comum.

Então lembre-se, faça decisões em Limit uma rodada por vez.

Segunda parte.


Concentração no Poker

janeiro 1, 2011
Escrito por willas13 – Fórum MaisEV

Concentração no Poker

Uma característica importante para um jogador de poker é a concentração. A maioria das pessoas tem dificuldade em se manter concentradas, seus pensamentos vagueiam por diversos assuntos e, desse modo, não conseguem focar em cada mão da mesa, perdem informações dos oponentes e cometem diversos erros. A maioria das pessoas não presta atenção depois de foldar uma mão, enquanto os vencedores permanecem focados e observam os adversários.

poker casual amigos poquer online artigos
Quantas vezes você estava bem em um torneio e, por apenas uma mão jogada de forma desconcentrada, lá se foram horas e horas perdidas, ou quem sabe depois de algumas horas de uma boa session você se desconcentra vendo um site e acaba fazendo jogadas horríveis. Por isso a concentração é tão importante e tem um impacto na eficiência e resultados do seu jogo.

Para maximizar a sua concentração, citarei algumas coisas que podem ajudar.

Elimine distrações:

– Desligue MSN/skype/Firefox/TV/etc e apenas deixe ligados os softwares que utiliza para jogar;
– Se um barulho está incomodando, utilize fones de ouvido para abafar o som;
– Converse com familiares/amigos que não quer ser atrapalhado.

Ambiente adequado:

– Um quarto silencioso e organizado é importante;
– Cadeiras confortáveis que permitam longas sessions sem problemas;
– Líquidos sempre ao alcance também ajudam.

Estado mental:

– Não jogue cansado, com sono, bêbado ou sem vontade, pois seu foco não será 100%;
– Não jogue muito além do seu limite. Se você está habituado há jogar 1 hora, não tente jogar por 2 horas seguidas. Aumente o tempo gradativamente;
– Pausas entre as sessions acompanhadas de pequenas caminhadas e alongamentos.

Alimentação:

– Não jogue com fome ou logo após uma grande refeição;
– Alimentos ricos em ferro e vitamina C melhoram a concentração;
– Cafeína e açúcares promovem uma melhora da capacidade mental num curto período de tempo e depois causam exaustão e alteram seu humor, por isso, seu uso deve ser minimizado.

Liste os pontos que você acha que deveria mudar e altere sua rotina aos poucos. Logo você notará os resultados.